O Corvo 4: Inconsciência Tranquila (Luís Louro), capa
  • O Corvo 4: Inconsciência Tranquila (Luís Louro)
  • O Corvo 4: Inconsciência Tranquila (Luís Louro) 2
  • O Corvo 4: Inconsciência Tranquila (Luís Louro), capa

O Corvo 4: Inconsciência Tranquila (Luís Louro)

De Luís Louro. Defendendo que o “destino de um homem depende das suas crenças e dos seus fantasmas”, o Corvo tenta superar a timidez de Vicente e vestir a pele de super-herói.

IDIOMA
  • PORTUGUÊS
FORMATO
  • AUTOR PORTUGUÊS
15,08 €
Quantidade
Disponível

  • Política de segurança: dados do cliente encriptados e protegidos ao abrigo do RGPD Política de segurança: dados do cliente encriptados e protegidos ao abrigo do RGPD
  • Política de entrega: entre 24 a 48h após confirmação do pagamento Política de entrega: entre 24 a 48h após confirmação do pagamento
  • Política de devolução: até 14 dias após realização da encomenda Política de devolução: até 14 dias após realização da encomenda

Vicente, morador em Alfama e carteiro de profissão, teve uma infância difícil – o pai, polícia, acabou por se enforcar depois de ter morto a mãe por causa de… futebol. Não é por isso de estranhar que, em adulto, Vicente sofra de alguns traumas e apresente um desdobramento de personalidade que faz com que, durante a noite, tenha necessidade de deixar emergir o seu “eu inconsciente” transformando-se no Corvo. Defendendo que o “destino de um homem depende das suas crenças e dos seus fantasmas”, o Corvo tenta superar a timidez de Vicente e vestir a pele de super-herói.

É assim que, assumindo o papel de justiceiro, o Vicente/Corvo vai neste livro tentar fazer frente ao que considera serem os (grandes) problemas da cidade de Lisboa: o Combustão (ou o Fanã?!), as pílulas do senhor reitor, as trotinetas ou… os pombos Kamikaze. E tudo isto, como não podia deixar de ser, na companhia de Robim, o seu inseparável companheiro.

Inconciência Tranquila é o quarto e mais recente volume das aventuras do célebre Corvo, o anti-herói português criado por Luís Louro em 1994, e assinala a estreia da Ala dos Livros na publicação de obras de autores portugueses.

Luís Louro nasceu em Lisboa em junho de 1965. Depois de ter terminado o ensino secundário, e desde sempre apaixonado pelas artes gráficas e pela imagem, ingressou na Escola António Arroio onde completou o Curso de Técnico de Meios Audiovisuais. A sua incursão na BD remonta a 1980, ano em que em parceria com António José Simões (Tozé Simões), criou pequenas histórias, algumas das quais viriam a ser publicadas em diversos fanzines entre 1985 e 1990. E é precisamente no ano de 1985 que Luís Louro vê pela primeira vez editada uma história de sua autoria numa revista de publicação regular: estávamos a 1 de abril de 1985 e a história “Estupiditia II” surgia nas páginas da Mundo de Aventuras (revista coordenada à época por Jorge Magalhães). Este é o ponto de partida para as publicações “profissionais” que se sucedem no “Diário Popular”, “Jornal Júnior” ou em “O Mosquito” (5.ª série). Seria aliás no “Sábado Popular”, um suplemento do jornal “Diário Popular”, que viria a estrear-se, em outubro de 1985, a série Jim del Mónaco (lançada em álbum, em 1986, pela Editorial Futura, que viria a publicar 4 títulos). Paralelamente, e ainda em 1989, a parceria Louro & Simões estreia-se na ASA, onde é lançado o primeiro álbum da série Roques & Folque (que contaria com um total de 3 títulos). Será ainda a ASA a retomar, em 1991, a série Jim Del Mónaco, tendo publicado, entre 1991 e 1993, sete álbuns a cores. Depois de um interregno de alguns anos, dois novos títulos surgem em 2015 (O Cemitério dos Elefantes) e em 2017 (Ladrões do Tempo).

A partir de 1994, ano de lançamento do primeiro tomo de O Corvo, Luís Louro assume também os argumentos e assina sozinho álbuns como Alice (1995), Coração de Papel (1997), Cogito Ego Sum I (2000), Cogito Ego Sum II (2001). Esta carreira a solo seria, no entanto, pontuada por algumas colaborações com diversos argumentistas, como Rui Zink (O Halo Casto – 2000), João Lameiras e João R. Santos (Eden 2.0 – 2003), Nuno Markl (O Corvo: O Regresso – 2003) ou Rosa Lobato de Faria (ABC das Coisas Mágicas). Em 2007, a ASA editaria o terceiro volume de O Corvo, subintitulado Laços de Família.

Ao longo da sua carreira enquanto desenhador de BD, Luís Louro ganhou vários e importantes prémios, tendo integrado, em 1998, a comitiva “Perdidos no Oceano”, que constituiu a representação de Portugal enquanto país convidado no 25.º Festival Internacional de Angoulême.

Depois de Watchers (dois álbuns publicados em 2018) e Sentinel (dois álbuns editados em 2019), regressa a uma das suas personagens marcantes com O Corvo – Inconsciência Tranquila (2020), a sua mais recente publicação.

Páginas: 64, a cores

Encadernação: capa dura

Dimensões: 235 x 310 mm

ISBN: 978-989-54726-1-1

3 Itens

Referências específicas

ean13
9788416510894

outras sugestões de interesse

KINGPIN BOOKS é uma marca registada | ©2021 todos os direitos reservados

Todos os preços incluem IVA à taxa legal em vigor

Aceito

Este website utiliza cookies para melhorar o serviço prestado ao nosso cliente. Para saber mais clique aqui.